15 de jun de 2010

Sobre a entrevista com o Dr. Fernando Lucchese

O dr. Fernando Lucchese reconhece que a fé cria um ambiente de motivação,o corpo se mobiliza envolvido pela segurança da questão do sagrado. Cita Albert Einstein, que como cientista, demonstrou-se um homem de fé, uma figura extraordinária que chegou a uma conclusão, pela razão da necessidade da existência de Deus.
Reclama Lucchese, do ensino acadêmico no Brasil que não abriu espaço para tratar do tema espiritualidade.
Como médico, festeja a humanização do médico contemporâneo, mais espiritualizado e visto com menos preconceitos, sendo como um médico melhor.
Hospitais, sociedade e pacientes encaram com reservas, mesmo hospitais religiosos devido a confusão entre espiritualidade e religiões. Mas os hospitais estão diferentes do inicio da década. Salientam as equipes de espiritualidade e chama a atençã para um fato importante:
Se o médico der apoio a essa iniciativa, a aceitação desse trabalho chega a 95% !!!
E finaliza dizendo que : " No consultório, o médico que não gasta mais tempo com o paciente vai se dar mal. O médico vendedor de receitas está com os dias contados." A espiritualidade e o afeto são a nova linguagem que une médicos e pacientes.
Me lembro com muito carinho de um programa de entrevistas com a querida Tânia Carvalho, há alguns anos, onde o dr. Lucchese me tranquilizou dizendo que a medicina que eu estava praticando e da qual eu falava entusiasmado mas um pouco inseguro pela ousadia, para aqueles tempos já existia nos Estados Unidos e se chamava medicina das emoções.

1 comentários:

Rosi disse...

Oi Ale! Adorei esta entrevista, vejo que atualmente as pessoas, entre elas profissionais das mais diversas áreas, buscam algo além do "material", e isso me alegra muito, pois acredito e estudo sobre a espiritulidade.Percebo que profissionais da área da saúde buscam o entendimento do "SER HUMANO",além do corpo físico, mas também do "SER HUMANO", como capacidade de amar ao próximo.Por isso te admiro muito!

Postar um comentário